Área: Ultimas Noticias Home Foto da Notícia:


Foto Média da Notícia:


Legenda da Foto:

Description:

KeyWords:

ID da Notícia: 1640

Modalidade: Artigos Gerais

Contexto: Home

Evento:

Data: 03/01/2017

Título: Técnica une aparelhos dentários e cirurgia para redesenhar a estrutura do rosto

Manchete: Adultos que tiveram algum distúrbio do crescimento facial podem recorrer a técnica


Corpo da notícia

Adultos que tiveram algum distúrbio do crescimento facial e querem redesenhar a estrutura do rosto podem recorrer a uma técnica que une aparelhos ortodônticos à procedimentos cirúrgicos nos ossos da face - a chamada cirurgia ortognática. Além da estética, o tratamento corrige alterações no posicionamento da mordida e problemas respiratórios.

"Os exemplos mais comuns de indicações para a cirurgia ortognática são o prognatismo mandibular (excesso de queixo), o retrognatismo mandibular (falta de queixo), e as alterações verticais da face, como o excesso vertical da maxila, que é bem característico pela presença de sorriso gengival e a inabilidade para fechar bem a boca", explica o cirurgião bucomaxilofacial Augusto Pary, especialista na técnica.

A primeira fase do tratamento, quando é usado o aparelho dentário, pode durar de 6 a 18 meses. Em seguida, o paciente é submetido ao procedimento cirúrgico. A recuperação vai depender da gravidade do caso, mas envolve repouso de 15 a 30 dias, com restrições à mastigação. Para praticar esportes, o recomendado é aguardar um intervalo de seis meses a partir da operação.

  "O objetivo deste preparo com aparelho é colocar os dentes nas posições e inclinações corretas dentro dos ossos maxilares para que uma mordida ideal consiga ser estabelecida durante a cirurgia. Após 2 a 3 meses da cirurgia, o paciente retorna ao seu ortodontista (dentista que cuida do posicionamento dos dentes) para que sejam realizados os ajustes finais na arcada", orienta Pary.

O tratamento é definitivo, mas, especialmente no primeiro ano pós-cirúrgico, são necessárias revisões frequentes. O procedimento é contraindicado apenas para pacientes com problemas de saúde grave, que impossibilitem a realização de cirurgias.

Fonte: extra.globo.com

APCD da Saúde
APCD-Saúde
Facebook - APCD da Saúde Twitter - APCD da Saúde Temos WiFi
Central de Atendimento APCD

Central de Atendimento

(11) 5078-7960

Técnica une aparelhos dentários e cirurgia para redesenhar a estrutura do rosto

Adultos que tiveram algum distúrbio do crescimento facial podem recorrer a técnica

Data da Notícia | 03/01/2017

Adultos que tiveram algum distúrbio do crescimento facial e querem redesenhar a estrutura do rosto podem recorrer a uma técnica que une aparelhos ortodônticos à procedimentos cirúrgicos nos ossos da face - a chamada cirurgia ortognática. Além da estética, o tratamento corrige alterações no posicionamento da mordida e problemas respiratórios.

"Os exemplos mais comuns de indicações para a cirurgia ortognática são o prognatismo mandibular (excesso de queixo), o retrognatismo mandibular (falta de queixo), e as alterações verticais da face, como o excesso vertical da maxila, que é bem característico pela presença de sorriso gengival e a inabilidade para fechar bem a boca", explica o cirurgião bucomaxilofacial Augusto Pary, especialista na técnica.

A primeira fase do tratamento, quando é usado o aparelho dentário, pode durar de 6 a 18 meses. Em seguida, o paciente é submetido ao procedimento cirúrgico. A recuperação vai depender da gravidade do caso, mas envolve repouso de 15 a 30 dias, com restrições à mastigação. Para praticar esportes, o recomendado é aguardar um intervalo de seis meses a partir da operação.

  "O objetivo deste preparo com aparelho é colocar os dentes nas posições e inclinações corretas dentro dos ossos maxilares para que uma mordida ideal consiga ser estabelecida durante a cirurgia. Após 2 a 3 meses da cirurgia, o paciente retorna ao seu ortodontista (dentista que cuida do posicionamento dos dentes) para que sejam realizados os ajustes finais na arcada", orienta Pary.

O tratamento é definitivo, mas, especialmente no primeiro ano pós-cirúrgico, são necessárias revisões frequentes. O procedimento é contraindicado apenas para pacientes com problemas de saúde grave, que impossibilitem a realização de cirurgias.

Fonte: extra.globo.com

© 2011 APCD - Regional Saúde. Todos os direitos reservados. Desenvolvimento: PWI Sistemas